domingo, maio 07, 2006

Na época eu ainda ia até a sala de espera chamar paciente por paciente. Hoje eu 'grito' lá da sala de coleta mesmo, pode parecer mal educado, mas os médicos fazem assim e as pessoas os veneram, não é mesmo? E naquele laboratório chique que eu não vou falar o nome mas todo mundo sabe qual é, tu tem uma senha numérica, igual àquelas da Caixa Econômica, e vários painéis na sala de espera, um painel pra coleta, um painel pra fazer a ficha, um painel pra retirar o resultado...legal que não tem nenhuma placa avisando qual é qual, eu mesma custei a entender, mas enfim o assunto não é esse.
O que acontece é que toda vez que eu ia até a sala de espera chamar algum paciente, uma senhora fazia menção de falar comigo, mas o rapaz que a acompanhava a fazia sentar-se novamente. Nem dei bola, afinal minha sala de espera tava lotada.
- Fulano de tal.
- Sou eu. - e levanta o rapaz que estava em companhia da senhora que eu mencionei aí em cima. Ela continuou sentada.

Ele me seguiu pelo corredor e sentou-se na minha 'cadeira de tortura' hahahahahahahahahah....esticou o braço e eu passei o algodão com alcool. Já percebeu o quanto o algodão com alcool é mais apavorante do que a propria agulhada? Às vezes eu penso que tomar injeção ou tirar sangue seria bem menos traumatizante se não fosse obrigatória a limpeza com o bendito algodão gelado. Seringa de 20ml, a maior da minha gaveta. O médico do cara pediu tudo quanto é exame que existe nesse mundo. Foi fácil, a veia dele parecia um cano da SABESP subcutâneo, eu até puxei assunto, pra tentar distrair o paciente que estava visivelmente nervoso e além de tudo era bonitão, na ficha tava escrito que tinha 29 anos, mas aparentava menos, um porte atlético, altão sabe...então...
- Aperta aqui enquanto eu coloco teu sangue no tubinho - eu pedindo pra que ele pressionasse o pedaço de algodão seco que coloquei sobre o furinho feito com a agulha.
...
- Enfermeira...
- O que?
- Eu posso deitar? - nisso eu me viro e o cara tá ficando verde. Termino rapidamente de tampar os tubinhos e vou tirar umas malditas lâmpadas fluorescentes de cima da maca (quem foi o cretino que botou isso aqui?)...

PLOFT!!!

Tá lá o Zé Bonitão estatelado no chão, com os olhos abertos feito morto de filme americano. Legal foi que ele caiu com as costas na porta da sala de coleta, que abre pra dentro. Eu já tive o desprazer de ver outra pessoa desmaiar dessa maneira na minha frente e pior, foi a minha mãe. E enfermeira que estava comigo nesse dia me disse:
- Qdo um paciente seu desmaiar, não precisa se assustar, é só uma queda de pressão, apenas fique atenta na respiração. O paciente geralmente volta ao normal em alguns minutos.
E foi verdade, minha mãe acordou em menos de um minuto.

Experiente como sou, adivinha qual foi o socorro que prestei ao desfalecido? Nenhum, óbvio. Apenas fiquei ali, agachada em frente sua cabeça, soprando e abanando sua cara tosca e juro que nesse momento segurei um riso. Ao mesmo tempo, barulho de correria no corredor, a maçaneta girando mas a porta não abria, lembra que eu disse que o cara caiu bem rente à porta?
- Meu filhooo!! Meu filhooo!! - a mãe do cara gritava lá fora como se eu tivesse botado o infeliz numa cadeira eletrica - Abre essa porta!!! - e forçava a porta, que batia nas costas, na nuca e na cabeça dele. tum tum tum.
Nessa hora eu ja tava chorando de rir nem conseguia mais soprar a cara dele, só tive forças pra dizer:
- Paaaaaara dona! A senhora vai machuca-lo!

Nisso, como era de se esperar, o paciente começou a voltar, veio se arrastando pra cima da maca...abre-se a porta, e a visão que eu tenho me faz de novo segurar o riso: a mãe pálida de susto, minha chefe com cara de "what a fuck??" e o André (nosso recepcionista) parecendo urubu em cima de carniça. E eu ali, no melhor estilo enfermeira bem comportada:
- Ele desmaiou, mas já está tudo sob controle. - e exibo meu sorriso mais simpático do mundo.
- Olha moça, eu ia falar com vc antes, mas meu filho Robertinho não deixou. Ele tem dessas coisas, fica com vergonha quando a enfermeria é novinha assim sabe - e me aponta o dedo com um ar de Odette Roittman, como se ser nova fosse um defeito meu, e continua a humilhação de Robertinho - Pois bem 'filhão' essa vergonha foi pior, não foi???

É Robertinho. Se vc tivesse avisado, não teria batido a cabeça no chão. Idiota.

***
Love,


M.

3 comentários:

marlboro and milk. disse...

que vaca essa roitman. esse robertinho, garanto que mora com os pais e é homossexual passivo. e foi fazer teste de aids.

Sunset disse...

Robertinho, êta menino de ouro!
Não sabia dessas de ficar verde de vergonha; vermehlo sim, mas verde não....
Ê Mel, vc só atrai esses tipos exóticos, ahauahauhaaaoooowww!

O pessimista disse...

Tão corajoso quanto eu...